Marcelo Lima - 23 de Novembro de 2017 - (1612 j leram)

Projeto resgata Cultura Quilombolas no serto

O projeto de resgate a Cultura Quilombolas é uma extensão de direitos humanos e inclusão da Comunidade Remanescente de Quilombos Serra eia na Paraíba que vem se desenvolvendo e se aperfeiçoando.

A comunidade Remanescente de Quilombos Serra Feia é localizada no interior do estado da Paraíba, na zona rural do município de Cacimbas.

Tendo como ponto de apoio a educação a escola Joaquim Cassiano Alves é o principal cenário para desenvolver as atividades, articulando assim serviços e expandindo para os demais moradores do local.

Para o diretor da Escola Joaquim Cassiano, Wamberto Ferreira, o projeto traz para a comunidade um olhar diferenciado da identidade quilombolas além do incentivo para que eles continuem acreditando nos seus sonhos, disse Wamberto.

Universitários dos cursos de Psicologia, Odontologia e Jornalismo, das Faculdades Integradas de Patos (FIP), realizaram palestras de esclarecimento aos jovens com relação a saúde, sexualidade, reconhecimento de identidade, dentre outros assuntos. Também fazem parte do cronograma, bem como, orientação para melhoramento da saúde bucal tendo crianças como público alvo, atividades lúdicas; teatro, pinturas e desenhos.

Um dos principais objetivos do projeto é compreender a organização da comunidade, compartilhar de suas vivencias e observar com um olhar acadêmico o modo de vida dos moradores, seus costumes. 

Passado um ano de observação, o grupo foi capaz de detectar problemas enfrentados pela comunidade. Agora é hora de unir forças para solucionar os problemas daquela comunidade, e uma das iniciativas primordiais a serem trabalhadas de imediato é a organização do conteúdo a ser trabalhado junto aos professores da escola local, o atendimento aos idosos e crianças em relação a saúde bucal, a realização de palestras com profissionais da área de antropologia que observem com maior foco a cultura Afro e toda a divulgação das atividades da cultura dos Remanescentes nas redes sociais, tornando assim o conteúdo acessível aos internautas em qualquer lugar do mundo.

“O projeto da oportunidade aos estudantes para que possam ultrapassarem os muros da Universidade e poder vivenciar um outro estilo de vida e ao mesmo tempo, tendo um choque de realidade. Com isso temos a oportunidade de nos humanizarmos e perceber que o outro não vive como a gente. Essa experiência, nos dará enquanto profissionais, no meu caso Jornalista, um aprendizado de como trabalhar o social”, disse a estudante Ayara Luna.

A professora e responsável pelo projeto de extensão da FIP, Irismar Batista, disse que esse projeto está sendo desenvolvido desde o ano de 2016. “Hoje nós oferecemos ensinamentos em diversas áreas, sejam elas, saúde bucal, mídias sociais e temos uma ampla divulgação no trabalho com a população. A psicologia, além de trabalhar os direitos humanos trabalha também a autoestima”, explicou a coordenadora do projeto.

Publicidade