Operação e prende várias pessoas por furto de energia, após 1ª delação premiada do Sertão

A Polícia Civil do Estado da Paraíba, deflagrou desde a manhã de terça-feira (03), a segunda fase da “Operação Hemera” (deusa da luz) com objetivo de desbaratar uma verdadeira organização criminosa responsável por desvio de energia elétrica em vários imóveis residenciais e comerciais da cidade de Itaporanga (PB).

Fruto, inicialmente, de uma denúncia anônima feita à empresa concessionária de energia, Energisa Paraíba, as investigações iniciaram. A primeira fase da operação culminou com a prisão de um ex-funcionário da empresa, identificado como sendo um dos responsáveis pelo esquema de corrupção, fraude e desvio de energia elétrica. 

Numa ação integrada entre a Polícia Civil, pela 17ª Delegacia Seccional, pelo GTE e pela Delegacia Distrital de Itaporanga, por seus signatários, respectivamente Dr. Antônio Neto e Dr. Renato Leite, o Ministério Público do Estado da Paraíba, por seu representante Dr. Reynado Serpa e o Poder Judiciário da Paraíba, pelo juiz Dr. Antônio Eugênio Leite, juízo competente em razão do juiz da 3ª Vara ter se averbado suspeito, foi realizada e homologada a PRIMEIRA COLABORAÇÃO PREMIADA DO SERTÃO dando a possibilidade de desbaratamento da organização e do esquema de corrupção que estava em andamento dentro da empresa fornecedora de energia.

Para o Juiz Antônio Eugênio, o caso de Itaporanga revela uma complexidade de crimes que estão escondidos diante de uma sociedade, e que a Delação do funcionário da Energisa, deverá se expandir como exemplo para outras cidade e regiões paraibanas.

No início da manhã da terça, a Polícia Civil com o apoio técnico da Polícia Científica do Estado - IPC João Pessoa e de técnicos fiscais da Energisa Paraíba cumpriu 4 mandados de prisão e 23 mandados de busca e apreensão objetivando inspecionar imóveis residenciais e comerciais suspeitos de estarem dentro do esquema, fraudando o consumo de energia elétrica.

 

Em dois dias da operação, foram vistoriados imóveis sendo detectadas fraudes em 16 deles e indícios de fraudes em 7, além de 5 pessoas presas. Sendo 4 em decorrência de mandados de prisões e 1 prisão em flagrante.

A operação além do efeito repressivo para a sociedadetem caráter educativo, pois serviu para orientar a população do perigo que representa as ligações clandestinas e o prejuízos para os cofres públicos e para a empresa concessionária que tem atuação específica no combate a fraudes e recuperação de crédito.

Estima-se que a operação até o momento conseguiu recuperar a quantia de R$ 45.000,00 de energia sem se fazer os acréscimos dos tributos incidentes no valor da energia bruta fornecida, algo em torno de 27%. Isto corresponde a 60.000 Kwh. O que daria para abastecer 400 residências com uma família de 3 pessoas cada uma pelo período de 30 dias.

Publicidade