Ricardo Souza - 23 de Fevereiro de 2017 - (2682 j leram)

NASA anuncia descoberta de 7 planetas iguais a Terra! E 3 podem abrigar vida

Os astrônomos nunca viram nada como isto antes: Sete mundos alienígenas do tamanho da Terra orbitam a mesma pequena e fraca estrela, e todos eles podem ser capazes de suportar a vida como a conhecemos, informa um novo estudo.

“Este sistema é provavelmente a nossa melhor aposta a partir de hoje para procurar vida em outro lugar”, disse o co-autor do estudo, Brice-Olivier Demory, professor do Centro para Espaço e Habitabilidade da Universidade de Berna, Suíça.

Os exoplanetas cercam a estrela TRAPPIST-1, que fica a apenas 39 anos-luz da Terra – um mero lance no esquema cósmico das coisas.

“Podemos esperar que, dentro de poucos anos, saibamos muito mais sobre esses planetas, e com esperança, se houver vida lá, [saberemos] dentro de uma década”, o co-autor Amaury Triaud, do Instituto de Astronomia na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, disse aos repórteres hoje (21 de fevereiro).

Um bizarro sistema alienígena

TRAPPIST-1 é uma estrela anã ultra-leve que é apenas ligeiramente maior do que o planeta Júpiter e cerca de 2.000 vezes menor do que o sol.

A equipe de pesquisa, liderada por Michaël Gillon, da Universidade de Liège, na Bélgica, estudou originalmente a estrela com o TRAPSIST com o pequeno telescópio PlanetesImals (TRAPPIST), um instrumento no Observatório de La Silla, no Chile. (Isso explica o nome comum da estrela, o objeto também é conhecido como 2MASS J23062928-0502285.)

TRAPPIST observou eventos regulares de escurecimento, que a equipe interpretou como evidência de três planetas diferentes cruzando a face da estrela. Em maio de 2016, Gillon e seus colegas anunciaram a existência desses três mundos alienígenas, chamados TRAPPIST-1b, TRAPPIST-1c e TRAPPIST-1d. Os três, segundo a equipe, são aproximadamente do tamanho da Terra e podem ser capazes de sustentar a vida.

Os astrônomos continuaram estudando o sistema, usando o TRAPPIST e vários outros telescópios de chão. Este trabalho de acompanhamento sugeriu que os supostos trânsitos eram na verdade causados ​​por mais de um planeta, e também revelaram evidências de mundos adicionais no sistema.

Uma campanha de observação de três semanas feita pelo telescópio espacial Spitzer, da NASA, em setembro e outubro de 2016 ajudou a clarear tudo. Os dados de trânsito do Spitzer confirmaram a existência dos planetas b e c, mas revelaram que três mundos são responsáveis ​​pelo sinal “TRAPPIST-1d” originalmente detectado. E o Spitzer também viu mais dois exoplanetas no sistema, num total de sete.

Esses 7 mundos – que Gillon e seus colegas anunciaram no novo estudo – são todos aproximadamente do tamanho da Terra. O menor tem cerca de 75% do tamanho de nosso planeta, enquanto o maior é apenas 10% maior que a Terra, disseram os pesquisadores.

“Esta é a primeira vez que tantos planetas deste tipo são encontrados em torno da mesma estrela”, disse Gillon na conferência de imprensa dessa terça-feira.

Todos os sete mundos alienígenas ocupam órbitas apertadas, estando mais perto de TRAPPIST-1 do que Mercúrio está do sol. Os períodos orbitais dos seis mundos mais internos variam de 1,5 dias a 12,4 dias; O planeta mais externo, conhecido como TRAPPIST-1h, completa 1 volta em cerca de 20 dias.

Os seis planetas internos estão em quase-ressonância, o que significa que seus períodos orbitais estão relacionados entre si por uma razão de dois inteiros pequenos. Esse arranjo sugere que os mundos se formaram mais distante no sistema e depois migraram para suas posições atuais, disseram os membros da equipe de estudo.

Os dados recolhidos pelos vários telescópios sugerem que todos os seis planetas interiores são rochosos, como a Terra; Não se sabe o suficiente sobre o planeta h para determinar sua composição.

 

 

Publicidade