Rodrigo Cezar - 5 de Junho de 2017 - (1904 j leram)

Chuvas em Patos em 2017 ficam prximas media e outras previses de estudioso tambm se confirmaram

Nessa sexta-feira(02) de Junho, o físico, meteorologista e mestre em Meteorologia Rodrigo Cézar Limeira, entrou em contato por telefone com o Escritório da Emater, e obteve os dados oficiais de chuvas em Patos em 2017. 

A Emater em Patos recebe dados pluviométricos diretamente da Embrapa. Confira os índices:

Entre 01/01 e 02/06:

Total de chuvas em Patos: 594,2 mm

Janeiro: 82,5 mm
Fevereiro: 203,3 mm
Março:149,8 mm
Abril: 113,1 mm
Maio:28,9 mm

Dias 01 e 02 de Junho: 9,5 mm e 7,1 mm respectivamente.

Média do período mais chuvoso na Embrapa: 620 mm, e média pluviométrica anual: 675 mm. 

PORTANTO ESTAÇÃO CHUVOSA PRÓXIMA DO NORMAL EM PATOS CONFORME PREVIA Rodrigo Cézar Limeira.

Outra importante previsão do estudioso também se confirmou, maioria dos grandes reservatórios que abastecem cidades do semiárido da Paraíba, armazenaram pouca água em 2017.

De acordo com o pesquisador, os reservatórios de Coremas/Mãe d´Água, São Gonçalo, Lagoa do Arroz, Engenheiro Ávidos, Capoeira, Cachoeira do Cegos e Boqueirão iriam receber recarga de água, mas sem boa recuperação, sendo necessário concluir as obras da transposição até o final do ano. Previsão feita e confirmada.

Cidades como Patos e Pombal por exemplo, poderão ficar sem água no final do ano, caso a transposição não seja concluída. 

O estudioso já havia previsto em Março do ano passado, que o reservatório de Coremas estaria seco no final de 2016. Previsão também confirmada, em Novembro do citado ano, Coremas secou.

A previsão agro meteorológica do estudioso também se confirmou

A previsão de ano bom para agricultura na maioria dos municípios do semiárido da Paraíba em 2017 se confirmou, mesmo com a irregularidade observada nas chuvas ao longo da estação chuvosa do semiárido do estado em 2017.

Nas redes sociais muitos agricultores das regiões de Cajazeiras, Sousa, Pombal e Patos parabenizaram o pesquisador Rodrigo Cézar Limeira pelas suas previsões certeiras.

O sucesso dos plantios de feijão é nítido, e isso tem reflexo no baixo preço do produto comercializado agora no semiárido da Paraíba.

Nas regiões de Cajazeiras e Sousa, os agricultores colheram milho e feijão, com alta lucratividade.

Já nas regiões de Patos e Pombal, a estação chuvosa foi mais favorável para a colheita de feijão, tal fato foi causado pelas chuvas muito bem distribuídas ao longo do período chuvoso. Isso favorece as lavouras de feijão, que precisam de menor demanda de água, já as lavouras de milho, que precisam de chuvas mais pesadas e concentradas, sentiram estresse hídrico, e ocorreram perdas.


Rodrigo Cézar Limeira 

Publicidade