Zenilda Lua - 24 de Outubro de 2017 - (794 j leram)

Homenagem aos 114 anos. Por Zenilda Lua

Patos!
meu canteiro enluarado
minha casa,  morada do meu sol
meu céu  de poema e cantoria
meu rio, meu estio e arrebol

Melhor tempo do meu tempo é quando eu volto
de lonjura e de saudade tão cativa
ando a  pé sentindo o cheiro das ruas
encho a alma de alegria gradativa

Sempre tomo um café no Centenário
compro pão na padaria São Vicente
e se os amigos insistem no churrasco
é no Boi Forte que abancamos alegremente

O Coreto, a Catedral, o JK
a Telpa, o Correio, a Prefeitura
a velha praça que abriga a Concha Acústica
o antigo Cepa e a Casa de Cultura.

Pra comer peixe vamos ao Panela Velha
um bom sorvete encontro na Zero Grau
se quiser vinho é só parar no Abanos
água de coco? Ao lado do Hospital.

Tem pizzaria no Terreiro do Forró
pirão de queijo, galinha bem cozinhada
tem macaxeira com manteiguinha da terra
tem feijão verde e se desejar tem tripa assada.

Patos tem FIP, tem PIB e tem ACEV
Rádio Espinharas e também a TV SOL
sites diversos com notícias de primeira
tem uma feira e estádio de futebol

Tem Wandecy, tem Murilo, tem Alex
tem Misael, Silvino Neto e Jozivan
tem Jamersom, Pr, John e tem Betinha
tem minha mãe, meus irmãos e irmãs.

Tem a Guia,Derreis, Zuza e tem a  Márcia
que agora mora pras bandas da Capital
tem a Luanja, o Ricardo e tantos outros 
que são patrimônios, riqueza imaterial.

Patos que o Poeta tanto amou
minha cidade, meu torrão, meu canto e lar
dona dos primeiros versos que escrevi
casa materna onde sempre quero estar. 

(Zenilda Lua 24-10-2017)

Publicidade