VERSOS EMBARALHADOS (O passado)

Cerquei-me do juramento
Tentando lhe convencer 
Fui tocando uma canção
Para não esmorecer
Arranquei do coração
À vontade e o bem-querer!

Tirei do brilho do espelho
A miragem do esplendor
Traguei como um alimento
Todo suspiro do amor
Fui buscar um acalanto
Para amenizar minha dor!

Passei do tempo da noite
Rebuscando no outro dia
A respiração ofegante
Do fervor de uma agonia
Adentrando da minha alma
O poder da alegria!

Fui à busca de um consolo
Renunciando aos “padrões”
Querendo com força e fé
Retirar dos meus pulmões
Aquela “fumaça” contida
Dos desejos e das paixões!

E nessa peleja “ardida”
Vou seguindo a minha luta
Retirando os obstáculos
Nos meus dias de labuta
Erguendo um justo troféu
Por saber que a vida é curta!

Assim, me resta aludir
Nesses versos embaralhados
Aquilo que se foi em vão
Pois, virou caso passado
Só vou manter a alegria
De um Troféu levantado!

Patos, 03/08/2018
Anchieta Guerra

Publicidade