Anchieta Guerra - 5 de Dezembro de 2017 - (311 j leram)

QUANDO S AQUARELAS FICAM OPACAS!

Certo dia, na rua da amargura eu encontrei você! Naquele momento passou em minha ótica, visões opacas e frias. Pareciam turbilhões confusos, que giravam em tono de um girassol colorido. A cadência, no entanto, a princípio, se expressava de forma horária. Havia um sentido em tudo aquilo. Seria um silogismo sofístico, desejado pelos “Girassóis Carnívoros”, pintado em uma tela de ilusões e fantasias e, aquarelado pelos pincéis da oralidade dos “Girassóis Humanos, tentando expressar com suas cores, a sua “obra de artes”! 

Passado o tempo, esses Girassóis desbotaram; perderam a cor. O semblante da magia que empolgava descoloriu a alma dos asseclas primários emergentes do acaso. O teatro ora encenado, que buscou o convencimento egocêntrico, espirrou como um pingo d’água no solo árido do Sertão Nordestino. Nada do que foi profetizado se constituiu em verdade. Foram meras encenações teatrais! O buquê de Girassóis que ostentava beleza despetalou-se ao vento da verdade social! Muitas vezes, “As Aparências Enganam”, principalmente, quando elas vêem camufladas de flores! Porém, não tem como se obscurecer "o Real da Fantasia", pois, “As Aparências Já Não Enganam Mais”!

Por isso, cuidado com as aquarelasses fisiológicas humanas, pois, elas podem aparentar uma tela expressiva, contudo, suas tintas podem estarem vencidas ou envenenadas pela ganância química do egocentrismo humano!

Patos, 05/12/2017
Anchieta Guerra

Publicidade